quinta-feira, 9 de abril de 2009

PURURUCA DE BACALHAU






















Novo vídeo do culinária tosca, mostro evolução; segundo Juca Chaves a diferença entre o câncer e o Piauí, é que o câncer evolui. Por isso convido vocês a assistirem. E se perceberem uma progressão deste que vos escreve, no vídeo, apresentado, é sinal de que eu já passsei a fase Dado Dolabella e posso voltar a falar mal da atuação do Erik Marmo. Bueno, confere o anterior, recordar é viver, assim podes comparar melhor.
O que vou ensinar nesse vídeo é a pururuca de bacalhau, o vídeo tá bem didático, nível Record - jornalismo verdade.
Isso tudo é um preparativo para Sexta-Feira Santa, dia de comer peixe, ontem, as 17 horas e 17 minutos de quinta-feira, 9 de abril de 2009, fui ao Mercado Público de Pinheiros, e comprei um bacalhau. Inspirado na receita de um programa de televisão, da tv record - jornalismo verdade, onde vejo junto a um dos apresentadores do programa em questão, um senhor dono de uma banca do mercado público de São Paulo, a limpar um bacalhau. Entre as dicas de como não ser enganado e comprar um bom peixe, de boa origem, ela dá uma preciosa: a pururuca de bacalhau.
Como já disse amanhã é Sexta-Feira Santa, e o cardápio que pensei para esse dia foi fish and chips. Pego o peixe preferido de Portugal e junto com o prato que mais comi na Irlanda. Dos cinco países que visitei com a bonotour, os lugares onde comi melhor, foram Lisboa e Dublin, essas duas capitais tem um sabor inesquecível e inspirador para mim.
A prévia do fish and chips de bacalhau, é a pururuca de bacalhau. Um bom filme a todos.



Agora a segunda parte.



Eu lavei a pele pelo menos por uma hora, troquei a água três vezes, fui no mercado demorei uns outros 30 minutos, e voltei para a cozinha.
Tirei a pela, deixei secar um pouco e comecei a cortar o couro do bacalhau já bem lavado.



Depois de cortar algumas tiras, começou a cozinha experimental. Coloquei as peles em dois dedos de óleo bem quente, fritou, ficou bom, mas não como eu esperava, não abriria uma boa cerveja pela pururuca, espercava bem mais.
Então pensei, já que preciso lembrar de como se faz a massa para empanar o fish and chips irlandês, porque não tentar empanar a pururuca com a mesma massa, e foi isso que fiz.
Na segunda vez que comi o fish and chips, tomei coragem e perguntei com meu inglês Borat, como poderia fazer aquela massa, contei que eu era do brasil, e queria fazer quando voltasse pra lá. Uma moça muito simpática me passa a receita, outro rapaz não muito simpático, devia ser o namorado dela, confirma a receita e acrescenta um "no eggs", pois para mim era certo que levaria ovo.

A receita da massa para empanar o fish and chips, e que eu sabiamente usei para empanar a pururuca é:

Ingredientes:

• 1 xícara de chá de farinha de trigo
• 1 colher de café de sal
• 1 colher de café de bicarbonato de sódio

• 1 colher de café de vinagre branco
• 1 xícara de chá de água.

Modo de prepararo:

Pegue um recipiente e nele coloque a farinha, depois o sal, misture ambos. Na xícara de água coloque as medidas de bicarbonato de sódio e o vinagre branco. Junte essa solução com a farinha e o sal, misture até obter uma massa homogênea.
O ponto da massa é simples, depois de tudo bem misturado, pegue uma colher com um pouco de massa, vire a colher, para deixar cair dentro do recipiente, se descer lento da colher até o restante da massa está pronta.
Daí é só empanar as tirinhas de pele de bacalhau, e fritar, vai ficar muito bom, juro!
Não é cachorra?














A trilha sonora que embala o filme é "Povo Que Canta", uma coletânea de canções portuguesas.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. digo... tá cada vez mais refinado o negócio!
    dá uma vontade de comer avec cervejinha!
    e que belas fotos! especialmente esta da baba!

    ResponderExcluir
  3. ei, esse pele é ecath! mas a baba, ahhhhh, que amor!

    ResponderExcluir