quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

MORRI, MAS TIVE OUTRA CHANCE.










Morri um pouco ontem.
Por isso nem consegui gravar o vídeo modo de preparo do Culinária Tosca.
Subi aos céus e lá encontrei muita gente legal, Jimi, Janis e Jim.
Fui recebido por ninguém menos que a própria morte, e como disse Cazuza:
"Eu vi a cara da morte e ela estava viva."

Ela era uma mulher muito bonita, achei então que o passeio prometia, mas até o momento não sabia que era só um passeio, digo, um susto.
São Pedro é gente finíssima, foi o primeiro que conheci, anda meio distraído com o tempo é verdade, mas cuidar da metereologia e das portas do céu ao mesmo tempo não é fácil, aliás ele tá dando um jeito de contratar o Zé Ramalho.
Mas é importante dizer aos amigos o que me levou ao céu.
Estava eu em casa, com minha filha e minha cachorra, enquanto minha mulher saiu para trabalhar. Coloquei Alice para dormir e liguei em Viver a Vida. Aquilo estava horrível, pior que a Preta Gil bronzeda, quando o Manoel Carlos fala em superação isso vale para todos, inclusive para ele, eu fiquei uma semana sem TV, umas três semanas sem ver novela, e aquilo não anda.
Embora pareça que eu tenha tentado o suícidio, não foi nada disso.
Resolvi fazer um lanchinho para acompanhar a trama atrapalhada de Maneco.
Há tempos, fiz um post sobre frituras, nele conto sobre a minha imensa vontade de fritar sorrentinos, iguaria argentina que parece um ravioli gigante e redondo.
Ontem abri minha geladeira e lá estavam eles, gordos e reluzentes, como a Preta Gil cheia de Cenoura & Bronze; então pensei que este era o dia D e hora H, como a canção de Paulo Ricardo e Luiz Schiavon.

Esquentei o óleo, peguei a frigideira, joguei o fósforo na gordura, seguindo o velho macete para quando ele acender saber que o óleo está bem quente.
Ele acende e eu jogo os sete sorrentinos.
Que visão, aqueles pastéis pequenos e redondos ficando douradinhos, um filme vem a minha cabeça - quase 3 anos depois de ter provado o meu primeiro sorrentino na calle Charcas, número 4001, no restaurante A Manger e pensado na possibilidade de fritá-los, hoje os encontro a duas quadras da minha casa num lugar chamado Primo Pastificio.
Recomendo!! Aliás esse será um novo serviço oferecido pelo blog, lugares onde se come bem, onde o atendimento é legal e onde há uma preocupação sustentável (e limpa!) relativa as embalagens e recipientes para servir, o Primo Pastifício é um deles, no entanto falarei melhor deles noutra ocasião, num post exclusivo.
Retiro os sorrentinos, sete preciosidades douradas, recheadas com presunto e queijo, choro de emoção, o filme chega ao fim e parece que teremos um final feliz.
Mas ainda resolvo passar um bife de contra-filé para acompanhar as iguarias.
Sento em frente de Manoel Carlos. Como o primeiro, o segundo em seguida, o bife, o terceiro, quarto, bife, bife, bife, restam dois sorrentinos. Agora só resta um, e um pedaço de carne que é dividido em 4 pequenos pedaços, como o sorrentino cortado em quartos.
Um, dois, três e quatro, as luzes se apagam.

Vejo uma luz no fim do túnel, corro em direção a ela...
Um clarão enorme me cega, uso as mãos para proteger meus olhos...
De repente...
– Juliane Moore?
– Não Tosca! Sou apenas a materialização de alguém que você gostaria de ver...
– Então quem é você?
– Sou a morte!
– Não pode ser... mesmo? Mas nem todo mundo gosta da Juliane Moore...
– Isso é o legal na profissão, quando recebi o Renato Russo, eu estava de Pedro Bial e ele amou.
– Então, aqueles sorrentinos foram meus últimos? Mas logo agora que descobri tão perto de casa...
– É, mas foram sete, e mais um bife...
– Mas eu sou pai... preciso ver minha filha crescer...
– Devia ter pensado nisso antes...Vamos dar uma volta.
Dona Juliane, me mostrou muita coisa, mas depois me deixou sob os cuidados de Renato Russo que me sugeriu três receitas para o blog, Rosca Queimada, Croquete Agasalhado e Biscoitos Molhados. Achei um papo estranho e pedi que se ele não se importasse gostaria de ser guiado por outra pessoa. Meu pedido foi aceito, me mandaram o meu conterrâneo, Humberto Gessinger.
Lá vi muitas coisas legais, mas o que mais me chamou a atenção, foi uma lista que São Pedro carrega. Vários nomes interessantes, Silvio Santos, Rod Stewart, Hebe, Maurício Mattar e o que segundo São Pedro já tá fazendo hora extra, mas ele está com medo de chamar pra perto...
Lulu Santos.

Enfim fiz um trato com o Homem, ele disse, com aquela voz de santo:
– Filho você pode voltar e divulgar sua receita, mas terá que me prometer três coisas.
– A primeira e mais importante, ser sempre um pai amoroso para sua filha e fazer o álbum da menina que já tem sete meses. Um pai fotógrafo, que também ilustra, e ainda não fez nada para pobre menina é muito feio.
A segunda é, utilizar o dom da culinária para ajudar o próximo, lembre-se da caridade.
E a terceira. Por favor pare de falar mal do Erik Marmo, eu gosto dele. Ele tem problemas, não é um bom ator, mas tem um coração proporcional a sua falta de talento.

Ao jurar perante Juliane Moore, Humberto Gessinger, Janis, Jimi e Jim para São Pedro eu ganhei mais uns bons anos aqui nesse plano.
Com isso apresento os sorrentinos fritos:

Ingredientes:

• Sorretinos
• Óleo para fritar.


Modo de preparo:

Jogue azeite numa panela, coloque um fósforo apagado, quando ele acender o óleo está no ponto, remova o palito e jogue os sorrentinos.
Deixe fritando de 3 a 5 minutos, virando para dourar por igual.



6 comentários:

  1. Muito bom. O texto, pq os sorrentinos ainda não provei. Chorei, claro, na primeira promessa que tu fez pro tio Pedro. Tu faz o álbum e eu vou guardando preciosidades da Lucia pra dar pra sobrinha quando ela crescer!
    Até

    ResponderExcluir
  2. tosca, agora é cumprir a promessa e chamar os amigos pra exeriência de morte!

    ResponderExcluir
  3. Tb chorei. De rir. Agora tb quero passar dessa pra uma melhor com sorrentinos.

    ResponderExcluir
  4. bah! tb quero ver a morte de perto!!!

    ResponderExcluir
  5. óbrégada, meu querido! a tietice é mútua!!

    ResponderExcluir
  6. Amo sorrentinos!!! Tem um lugar muito bom de massa artesanal chama Pissani (por sinal de uruguaios de familia italiana com tradição de massa la nos meus pagos) nos Jardins na Al. Franca, 1413, tel.: 3081-6847. Tem sabores incríveis e acho que devem ter sorrentinos. Sem palavras pro texto genial.

    ResponderExcluir