terça-feira, 3 de março de 2009

ESTÍMULOS CULINÁRIOS

Um blog culinário, era algo que eu já devia ter criado antes, opa desculpe, meu nome é Ricardo Toscani, não sou nenhum chef, estou mais para trainee, gosto de uma boa comida (não é hora de maliciar), tenho muito prazer em cozinhar, um prazer que só é menor que o de comer, aqui podemos maliciar.
Cozinha não é dom, é na verdade um estímulo. Quando cozinhamos e a pessoa amada ou nossos convidados, comem com gosto e elogiam, o incentivo é imenso, positivo, gratificante.
Eu aprendi a cozinhar com estímulos, o primeiro deles, e creio que o mais importante dos ingredientes, principalmente para a sazón, foi o amor.
O segundo, mas nem por isso menos importante, o meu irmão Rodrigo Toscani.
Pra esse ecxelente incentivo culinário, preciso contar uma história, mas não deixa de ser uma história de amor.
Há muito tempo conheci uma menina linda, com lindos cachinhos, um caminhar tão solto e charmoso, que fazia seus cachinhos dançarem. Tinha um balançar diferente, o que meus olhos viram de beleza nessa menina, na verdade meus ouvidos tinham reconhecido antes, quando percebi na sua voz, muito mais do que uma mulher bonita.
Com a pele bem branca, assim meio francesa, sempre que ela podia deixava a barriguinha a mostra, o que me deixava de olhos fixos do cabelo ao umbigo, e do umbigo a sola do pé de um tennis all star. Quis namorar, na hora, na verdade, trair, namorava outra na época, ela também tinha um outro romance.
O jeito é esperar, como toda receita; é preciso que chegue no ponto certo.
Esperamos na verdade mais do que imaginamos, estudamos nos mesmos colégios, estivemos nas mesmas festas, até na festa onde dei meu primeiro beijo ela estava. Era na casa da Telise, eu não conhecia a anfitriã, mas ela me convidou, e a Fernandinha, que foi meu primeiro beijo, estava lá, tudo arranjado, Lucia também, mas não era o momento de conhece-la, ainda não estávamos no ponto.
O tempo passou, muitos sabores, amores e desamores, (isso é meio globo, mas é justamente pra criar um clima de novela). O que importa é que desde o trote da faculdade, onde conheci Lucia, até uns três anos depois fiquei meio que apaixonado. Não sei bem o que era, era algo como sempre gostar de ohar pra ela. Até num dia 23 de março de 2001, viva Kubrick, soube que ela estava sozinha, fui numa festa dos bixos, dos meus bixos, a hierarquia é estranha mesmo.
Encontrei com ela, alguém tocava my girl no violão, era o dimi, e eu que não canto bem, por milagre consegui cantar no tom certo, e olhei pra ela, na festa só conversa, nenhum beijo, quando fugi para pegar uma cerveja, e não cair em tentação, tava de rolo na época, ela sumiu. Horas mais tarde encontro ela dançando, na catacumba no DCE, (diretório central dos estudanes), a catacunda é o sub-solo dessa boate, onde tocam bandas punks, e outras músicas rejeitadas pela sociedade, nesse dia tocava música eletrônica. A luz estroboscópica deixava tudo mais lento, fui me aproximando, seguia o balanço eletrônico. A conversa não precisava mais, pelo tanto que já tinhamos conversado na festa, então beijei, e ainda hoje, quase oito anos depois, ainda me sinto no DCE.
Mas passado um mês e alguns dias do primeiro beijo, levei a menina para minha casa, apresentei para familia, e claro convidei a linda guria de cabelos cacheados para jantar comigo. Me fechei na cozinha com ela, romance, olhos brilhando, aquela energia do novo amor, das descobertas. Digo para ela não se preocupar pois vou fazer nosso jantar. Sorrisos, carícias, amor.
De repente, o segundo estímulo abre a porta.
Meu irmão Rodrigo olha para Lucia, pela pequena fresta que enquadra seu rosto, pisca o olho, de maneira muito simpática, com um sorriso no rosto, pergunta e enfatiza:
"É omelele? Não é!?"

8 comentários:

  1. bah.. me emocionei mais
    que no final d'A FAVORITA

    ResponderExcluir
  2. Nossaaaaaaaaaa!!!!

    Cara, tu é praticamente o Benedito Rui Barbosa... Que história massa...
    Vocês sabem que já sou super fã de vocês, depois desta história, nossa me emocionei também.. eheheh...

    Parabéns pelo blog Toscani... muito massa...

    Saudades, abração a todos por aí.

    ResponderExcluir
  3. Massa loco! Vou acompanhar o blog e quem sabe até dar alguns palpites, já que me identifiquei muito com as tuas idéias de culinária!
    Abraço!
    German

    ResponderExcluir
  4. Linda história, mas não era um kibe mesmo?

    ResponderExcluir
  5. Ahhhh que saudade!! Mas então, tu tava de olho na Lucia na mesma festa que eu tava de olho no Evandro?? Creeeéédo - casais que nascem para a eternidade!

    ResponderExcluir
  6. tava na hora desse blog! pra os fãs e seguidores poderem tentar recriar os pratos! ;)

    e a história é linda, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Isso é que é amor! Parabéns, Tosca e Lucia! E que venha A baby mara muito mais amor... =)
    Muito legal o blog. Adorei! Já está nos "Favoritos".
    Bj, Bia

    ResponderExcluir